Exemplo: CSS Dropdown menu sem JavaScript ou hacks
Visualizar Noticia

Onze brasileiros largam hoje na 41ª edição do Rally Dakar, no Peru

07/01/2019

O calendário off-road tem início nesta segunda-feira (7) com o Rally Dakar, considerado o maior e mais difícil do mundo. O roteiro, 100% em solo peruano, inclui 5.537 quilômetros de desafios, sendo 2.951 de especiais (trechos cronometrados). A 41ª edição do Rally Dakar será realizada em um único país pela primeira vez na história, no Peru passando pelas cidades de Lima, Pisco, San Juan de Marcona e Arequipa. Outra característica que promete fazer desta edição especial é o número expressivo de mulheres participantes, ao todo são 17, maior número já registrado na competição. O roteiro terá dez etapas, quatro a menos do que a edição de 2018.

 

O brasileiro Jean Azevedo, único piloto brasileiro a ter vencido etapas na classificação geral com motocicletas nos anos de 2005 e 2007, já participou da prova em 18 ocasiões e conhece muito bem o que os pilotos devem encarar pela frente. “A edição deste ano será praticamente toda em areia, no deserto. Então, acho que a dificuldade será a mesma”, disse. O paulista avalia que a predominância deste tipo de terreno, bem como os obstáculos do deserto peruano farão da edição de 2019 uma das provas mais técnicas do certame dos últimos anos. "Uma disputa de rali em deserto exige muita habilidade dos competidores, tanto na questão da pilotagem quanto na navegação, o que diminui consideravelmente as chances de bons resultados de pilotos menos experientes", continuou Azevedo.

 

O número de brasileiros em 2019 é considerado bastante expressivo em relação aos anos anteriores. Dois pilotos vão correr na categoria Motos e 9 pilotos e navegadores vão nos UTVs. A prova aguarda a presença de 534 competidores e 334 veículos, entre motos, carros, quadriciclos, UTVs e caminhões.

 

Marcos Colvero (KTM 450)

Gaúcho nascido em Santa Maria, 46 anos, torcedor do Internacional, empresário do setor imobiliário, já correu várias provas no Brasil, como o Rally dos Sertões. A mulher e o filho mais velho também praticam off-road nas motocicletas. É estreante no Dakar na categoria Motos.

 

Lincoln Berrocal (KTM 450)

Nasceu em Curitiba, 60 anos, também vai correr o Dakar pela primeira vez. Os dois representantes do Brasil em duas rodas têm manias e superstições parecidas: Marcos só entra em avião e em reuniões importantes com o pé direito e Lincoln veste sempre a bota direita primeiro antes de subir no moto! Lincoln e Marcos vão correr com motocicletas KTM 450 cilindradas.

Os outros nove brasileiros vão correr entre os UTVs, a categoria que mais cresce no mundo das provas off-road. Nesta categoria o Brasil estará muito bem representado, com uma galera cheia de títulos no Brasil e no mundo, inclusive no Dakar e no Rally de Sertões.

 

Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin (Can-Am X3)

Reinaldo Varela (dir) e Gustavo Gugelmin vão tentar o bicampeonato do Rally Dakar na categoria UTVs. Foto: Ferraz/Fotop

Atuais campeões do Dakar na classificação geral dos UTVs vão defender o título com um Can-Am Maverick X3, da marca canadense BRP. Ambos são formados em administração de empresas e empresários. Reinaldo tem mais de 375 provas na carreira de piloto, que incluem o Rally Universitário, onde estreou em 1982. Em uma delas, aliás, correu com um VW Gol alugado. 

Gugelmin, que é parente distante (acho que nunca se viram na vida) do Maurício Gugelmin, ex-piloto da Fórmula 1, atua no setor de importação de peças, equipamentos e acessórios 4×4, para competições off-road. Gustavo também embarca para Lima com o peso de defender o título nos UTVs. “O Dakar é a Fórmula 1 do rali e o mais difícil desafio do mundo! Nele você supera três fatores: pessoal, profissional e físico”, diz o navegador de Reinaldo Varela, que desde a infância assistia vídeos do Dakar, ainda na África.

 

Bruno Varela e Maykel Justo (Can-Am X3)

Bruno Varela, de apenas 22 anos, vai estrear no Dakar. Ele já é campeão do Rally dos Sertões e Merzouga Rally, no Marrocos. Foto: Doni Castilho/Fotop

Bruno é filho caçula de Reinaldo Varela, irmão de Rodrigo e Gabriel, e é o mais novo entre os 11 brasileiros no Dakar 2019. Tem apenas 22 anos e já acumula no currículo vitórias importantíssimas mesmo com pouca idade. É campeão do Rally dos Sertões na classificação geral dos UTVs (2017) e faturou o título no Merzouga Rally, no deserto do Marrocos, na África, em 2018. Foi o piloto mais novo a vencer as duas provas na história. Cauteloso, diz que a maior expectativa no Dakar 2019 é “apenas terminar” a prova.

Da esq. para a dir.: Maykel Justo, Bruno Varela, Gustavo Gugelmin e Reinaldo Varela. Foto: Sanderson Pereira/Arquivo Pessoal/Divulgação

Maykel Justo será o navegador de Bruno Varela. É a primeira vez que os dois correrão juntos. Maykel tem muita experiência neste tipo de prova, com participações em sete Rally Dakar, sendo dois na África e cinco na América Latina. A estreia na maior prova do mundo foi na categoria Caminhões com André Azevedo, da equipe Petrobras Lubrax. Passou a gostar de rali acompanhando as participações de André e Klever Kolberg desbravando o deserto do Saara.

 

Cristian Baumgart e Beco Andreotti (Can-Am X3)

Cristian Baumgart (dir) e Beco Andreotti vão estrear no Dakar com UTV Can-Am X3. Foto: Vinícius Ferraz/Fotop

O publicitário e empresário Cristian Baumgart sonha em correr o Dakar desde criança e sempre acompanhou a prova pela TV e internet. Tem três títulos de campeão do Rally dos Sertões nos Carros ao lado do fiel escudeiro Beco Andreotti e já disputou várias provas no Brasil e na África. 

O navegador Beco Andreotti sonha em correr o Dakar desde 1998, quando participou de um rali pela primeira vez. Experiente, tem no currículo os três títulos do Sertões ao lado de Cristian – ambos farão a estreia no Dakar pela equipe X-Rally Team.

 

Marcos Baumgart e Kleber Cincea (Can-Am X3)

Marcos Baumgart (dir) e Kleber Cincea vão enfrentar o Dakar pela segunda vez. Deixam o carro de lado e vão de UTV. Foto: Vinícius Ferraz/Fotop

Também de UTV Can-Am X3, Marcos Baumgart e Kleber Cincea vão participar do Dakar pela segunda vez. Em 2013 eles estrearam na categoria Carros, mas tiveram que abandonar depois de um capotamento que comprometeu o motor do Mitsubishi.

Da esq. para dir.: Marcos Baumgart, Beco Andreotti, Kleber Cincea e Cristian Baumgart. Foto: Victor Eleutério/Fotop/Vipcomm

Marcos é irmão de Cristian, tem 41 anos, é formado em administração de empresas sempre sonhou com o Dakar e com oito anos de idade fez um desenho do que seria o carro dele na maior prova do mundo. O sonho se tornou realidade em 2013…

Desenho feito por Marcos Baumgart quando ele tinha apenas oito anos de idade e o carro no Dakar 2013: o sonho se tornou realidade! Imagens: Arquivo Pessoal/Divulgação

O navegador de Marcos Baumgart é o engenheiro de formação Kleber Cincea (pronuncia-se “Cíncea”), que tem uma indústria para fabricar quadros de bicicletas em alumínio. Kleber também esteve no Dakar em 2013, quando capotaram. A dupla já passou por bons momentos e muitos perrengues.

O perrengue mais dolorido foi no Rally dos Sertões 2017, quando eles capotaram apenas seis quilômetros depois da largada do primeiro dia de prova e tiveram que abandonar a competição.

Foram pelo menos 12 meses de planejamento e investimentos jogados fora. Mas corrida é corrida e faz parte. Com certeza um baita aprendizado para a dupla.

Kleber e Marcos são bicampeões do Brasileiro de Rally Cross Country e já correram em 18 edições do Rally dos Sertões. Kleber foi vice-campeão três vezes e Marcos duas vezes.

 

Lourival Roldan (Can-Am X3)

Lourival Roldan (esq) e Leandro Torres comemoram a vitória inédita do Brasil no Rally Dakar. Foto: Victor Eleutério/Fotop/Vipcomm

O navegador Lourival Roldan completa a lista dos 11 brasileiros que vão disputar o Dakar 2019. Ele vai correr de Can-Am X3 ao lado do piloto português Miguel Jordão.

Roldan tem 60 anos de idade, é pai, marido, analista de sistemas de formação e organizador de provas de rali no Brasil. Tem na bagagem vários títulos de todo tipo de prova e o mais importante deles é o de campeão do Dakar ao lado do piloto Leandro Torres (foto), em janeiro de 2017. Pela primeira vez um time brasileiro vencera uma categoria na classificação Geral do maior rali do mundo.

“Será um Dakar muito disputado. Temos excelentes duplas na categoria UTV. No mínimo temos que ficar entre os cinco primeiros todos os dias para poder brigar pelo título 2019. Tenho vontade de ser bicampeão e ajudar meu piloto a ser o primeiro português campeão do Dakar. A prova terá muitas dunas e passagens por lugares com traçados já utilizados nos dias anteriores. Será muito fácil de se perder e por isso a navegação será fundamental. Os caminhões irão sofrer muito e teremos um grid muito baixo. Os carros também irão sofrer muito nas dunas. Os UTVs serão a sensação deste Dakar”. - comentou Lourival.

A prova aguarda a presença de 534 competidores e 334 veículos, entre motos, carros, quadriciclos, UTVs e caminhões. Confira o roteiro do Rally Dakar 2019:

1ª etapa - Segunda-feira (7/1)

Lima/Pisco

Quilometragem total - 331 km

Trecho especial (cronometrado) - 84 km

 

2ª etapa - Terça-feira (8/1)

Pisco/San Juan de Marcona

Quilometragem total - 553 km

Trecho especial (cronometrado) - 342 km

 

3ª etapa - Quarta-feira (9/1)

San Juan de Marcona/Arequipa

Quilometragem total - 798 km

Trecho especial (cronometrado) - 331 km

 

4ª etapa - Quinta-feira (10/1)

Arequipa/Tacna (1º TRECHO DA ETAPA MARATONA)

Quilometragem total - 664 km

Trecho Especial (cronometrado) - 405 km

 

5ª etapa - Sexta-feira (11/1)

Tacna/Arequipa (2º TRECHO DA ETAPA MARATONA)

Quilometragem total - 714 km

Trecho especial (Cronometrado) - 517 km

 

Descanso - Sábado (12/1)

Arequipa

 

6ª etapa - Domingo (13/1)

Arequipa/San Juan de Marcona

Quilometragem total - 810 km

Trecho Especial (Cronometrado) - 309 km

 

7ª etapa - Segunda-feira (14/1)

San Juan de Marcona/San Juan de Marcona

Quilometragem total - 387 km

Trecho especial (cronometrado) - 323 km

 

8ª etapa - Terça-feira (15/1)

San Juan de Marcona/Pisco

Quilometragem total - 575 km

Trecho especial (cronometrado) - 360 km

 

9ª etapa - Quarta-feira (16/1)

Pisco/Pisco

Quilometragem total - 409 km

Trecho especial (cronometrado) - 313 km

 

10ª etapa - Quinta-feira (17/1)

Pisco/Lima

Quilometragem total - 359 km

Trecho especial (cronometrado) -112 km

 

TOTAL DA PROVA: 5.600 km

TOTAL DE ESPECIAIS: 3.096 km


 

Voltar